CPI da COVID interroga ex-Ministro da Saúde Nelson Teich

Ministro que substituiu Luiz Henrique Mandetta e que teve curta passagem pelo ministério é interrogado por senadores da CPI

Nelson Teich, médico oncologista, comandou o Ministério da Saúde por menos de um mês, entre 17 de abril e 15 de maio do ano passado, e deixou o cargo após divergências com o presidente Jair Bolsonaro sobre políticas a serem adotadas contra o coronavírus.

Em seu pronunciamento inicial, Teich fez questão de afirmar que a brevidade no cargo se deu tão somente por sentir-se controlado e sem liberdade para agir.  Diferente do seu antecessor que depôs ontem, alegando receber interferências de outras pastas como o Ministério das Relações Exteriores, e também da Economia, Teich diz não ter recebido nenhuma interferência direta ou indireta do Presidente da República na condução de suas políticas para o Ministério.

“As razões da minha saída do ministério são públicas, elas se devem basicamente a constatação de que eu não teria autonomia e liderança que imaginava indispensáveis ao exercício do cargo. Essa falta de autonomia ficou mais evidente em relação às divergências com o governo quanto à eficácia e extensão do uso do medicamento cloroquina para o tratamento da Covid-19.”

“Existia um entendimento diferente por parte do presidente, que era amparado por outros profissionais. E isso foi o que motivou a minha saída. Sem a liberdade para conduzir o ministério, optei por deixar o cargo.”

Confira alguns pontos da participação do Ex-Ministro:

Propostas da gestão

“Durante a minha gestão, no período curto, iniciamos um programa de controle de transmissão. Um programa de testagem e um que avaliava o distanciamento. A ideia era a elaboração de um protocolo nacional […] Minha passagem foi curta e não pude dar seguimento ao desenvolvimento desses projetos.”

Vacinas

“Eu trouxe a vacina de Oxford, da AstraZeneca, pro Brasil, através dos estudos clínicos. Comecei abordagem com a empresa Moderna. Também fiz uma conversa inicial com a Janssen, para iniciar a fase de estudos também.”

“No meu período ainda não tinha nenhuma vacina sendo comercializada, era o começo do processo da vacina. Foi quando eu trouxe o estudo da AstraZeneca para o estudo ser realizada no Brasil, para o Brasil ser um dos braços do estudo, na expectativa que a gente tivesse uma facilidade na compra futura.”

Falta de autonomia

“Eu não diria que me senti enganado, mas percebi ao longo daquele período que eu não teria a autonomia necessária para conduzir da forma mais correta. O pedido [de demissão] específico foi por causa do pedido de ampliação do uso da cloroquina. Era um problema pontual, mas isso refletia numa falta de liderança.”

Saída do cargo

“Naquela semana teve uma fala do presidente, na saída da Alvorada, que ele fala que o ministro tem que estar afinado e cita o meu nome. Na véspera, pelo que vi, teve uma reunião com empresários onde ele fala que o medicamento [cloroquina] será expandido. À noite tem uma live, onde ele coloca que espera que no dia seguinte vá acontecer isso, que vai ter uma expansão do uso. E no dia seguinte eu peço a minha exoneração.”

“Na minha função como ministro, tendo autonomia, obviamente eu iria trabalhar o distanciamento, todos os mecanismos de proteção. O presidente podia ter as atitudes dele, mas a minha postura seria buscar tudo o que fosse importante para a sociedade […] A ideia era que a gente tivesse um programa nacional, de uma conduta homogênea.”

“O pedido específico [de demissão] foi pelo desejo [do governo] de ampliação do uso de cloroquina. Esse era o problema pontual. Mas isso refletia uma falta de autonomia e uma falta de liderança.”

Cloroquina

“Eu não participei disso. Se aconteceu alguma coisa [sobre a produção de cloroquina], foi fora do meu conhecimento. Ali eu tinha uma posição muito clara em relação não só sobre a cloroquina, mas a qualquer medicamento. Não fui consultado […] Do que eu vivi naquele período, a gente nem falava em cloroquina […] Foi um assunto que não chegou a mim, a produção da cloroquina.”

“É uma conduta que pra mim, tecnicamente, era inadequada [a implementação da cloroquina]. Isso é para qualquer medicamento. Existe uma metodologia para você incorporar um medicamento.”

“Do meu conhecimento não, nunca me foi passado pelo Robson que estava sendo distribuído cloroquina para a população indígena. Se aconteceu a distribuição sem eu saber, pode ter acontecido, mas nunca sob minha orientação, porque a minha orientação era contrária.”

Indicação de Pazuello

“Ele [Pazuello] foi indicado pelo presidente. Eu conversei com ele, ouvi o que ele tinha para falar, da experiência dele e me pareceu que, naquele momento, quando eu precisava ter uma agilidade muito grande na parte de distribuição, me pareceu que ele poderia atuar bem […] Nós trabalhamos juntos ali ao longo do período, eu definia as coisas que deveriam ser feitas e ele ia executando o que eu falava. Quem definia era eu. Quem trabalhava a estratégia era eu.”

“Na posição de ministro, eu acho que seria mais adequado um conhecimento maior sobre gestão em saúde.”

Economia x saúde

“Economia e saúde não são coisas distintas. Quando você avalia o nível de saúde de uma sociedade, você tem coisas que são os determinantes sociais da saúde – tem economia, educação, onde a pessoa mora, uma série de coisas. […] O que aconteceu que eu achei que foi muito ruim, foi que a economia foi tratada como dinheiro e empresa, e a saúde como vidas, sofrimento e morte. Mas na verdade tudo é gente. Quando você fala de economia não está falando de empresa, de emprego. Está falando de gente.”

Plano de distanciamento

“Esse plano fazia parte de um programa de controlar a transmissão. Quando a gente olha os países que tiveram sucesso, eles controlaram a transmissão. Esse projeto foi feito justamente para que a gente começasse uma discussão sobre estratégias de distanciamentos. Era um programa pra gente começar a entender melhor. Hoje os distanciamentos ocorrem quando a cidade fica numa situação muito crítica, você tem sobrecarga dos hospitais, de UTIs. E a gente não aprende com o que a gente está fazendo […] O ideal, quando você faz qualquer medida de distanciamento, que você tente entender qual é o impacto daquilo que você está fazendo.”

Falta de informação

“Um dos pontos que íamos começar a discussão era sobre informação. A falta de informação impede que você faça um diagnóstico do momento. E quanto mais detalhada ela for, mais você consegue ver uma linha de tendência e antecipar uma coisa que vai evoluir. Você fazer um diagnóstico naquilo que está acontecendo, a chance de mudar é muito pequena. O programa de informação é fundamental para que você consiga antecipar movimentos.”