Dupla feminina formada às pressas faz primeira semi brasileira no tênis desde Atlanta 1996

Luisa Stefani e Laura Pigossi desbancaram grandes duplas na campanha e seguem em busca da primeira medalha do Brasil na modalidade

Antes de Tóquio 2020 em 2021 começar, os prognósticos do Brasil no tênis eram a possibilidade de medalha nas duplas masculinas, com os multi-campeões de slam Marcelo Melo e Bruno Soares (que teve uma apendicite chegando ao Japão e ficou fora). No entanto, os caminhos levaram a dupla feminina brasileira, que só descobriu que teria uma vaga em 16 de julho, a igualar a melhor campanha da história do Brasil na modalidade.

Luisa Stefani e Laura Pigossi derrotaram nesta quarta-feira (28) as americanas Bethanie Mattek-Sands (medalhista de ouro no Rio nas mistas) e Jessica Pegula por 1/6, 6/3 e 10-6 e estão nas semifinais. O único brasileiro a obter o mesmo resultado foi Fernando Meligeni em Atlanta 1996, que terminou em quarto lugar. Suas próximas adversárias serão as suíças Belinda Bencic e Viktorija Golubic.

O ex-número 1 do mundo e tricampeão de Roland Garros Gustavo Kuerten fez quartas em Sydney 2000 e a campeã de 19 slams Maria Esther Bueno, maior tenista brasileira da história, jogava na época que o tênis estava fora do programa Olímpico.

Apesar de ser a número 23 do mundo nas duplas e estar em ótima temporada, Stefani não esperava uma vaga em Tóquio, já que não havia outras brasileiras com ranking alto. Porém, algumas desistências abriram a possibilidade de um convite e Pigossi, que é número 188 do mundo nas duplas, se juntou a ela para representar o país.

O que elas estão fazendo em Tóquio é muito mais do que representar, mas sim orgulhar os fãs de tênis brasileiros.

Stefani, de 23 anos, foi uma juvenil promissora que, assim como a maioria dos grandes tenistas brasileiros dos últimos 15 anos, logo descobriu que as duplas deveriam ser o seu foco. Assim que começou a jogar com a americana Hayley Carter, ela pegou o elevador para elite do circuito WTA, com oito finais (incluindo do fortíssimo Miami Open) e dois títulos. Nos grand slams, elas chegaram às quartas do US Open de 2020, o que foi a melhor campanha feminina do Brasil em slams em 38 anos.

Também de São Paulo, Pigossi, de 26 anos, também obteve mais sucesso nas duplas, porém sem disputar os torneios principais com regularidade. Porém, seu espírito de luta e garra sempre foram valiosos para o Brasil na Billie Jean King Cup, a versão feminina da Copa Davis.

A outra semifinal de duplas femininas será entre as grandes favoritas, as tchecas Barbora Krejcikova e Katerina Siniakova e as atletas da ROC Veronika Kudermetova e Elena Vesnina.

Djokovic derrota Melo e Stefani nas mistas

Na primeira rodada de duplas mistas, Novak Djokovic e Nina Stojanovic passaram sem dificuldades por Marcelo Melo e Luisa Stefani, por 6/3 e 6/4.

Já nas duplas masculinas, há possibilidade de final 100% croata. Os favoritos Nikola Mektic e Mate Pavic encaram os americanos Tennis Sandgren e Austin Krajicek, enquanto Marin Cilic e Ivan Dodig jogam contra os neozelandeses Michael Venus e Marcus Daniell.

Confira jogos das chaves de simples

Nas chaves de simples, as quartas de final já estão definidas. A maior surpresa do dia foi a eliminação do grego Stefanos Tsitsipas para o francês Ugo Humbert. Já Novak Djokovic terá que encarar o melhor tenista japonês da história no masculino, NISHIKORI Kei. Estes são os confrontos:

  • Novak Djokovic (SRB) vs. NISHIKORI Kei (JPN)
  • Alexander Zverev (GER) vs. Jeremy Chardy (FRA)
  • Karen Kachanov (ROC) vs. Ugo Humbert (FRA)
  • Daniil Medvedev (ROC) vs. Pablo Carreño Busta (ESP)

No feminino, que teve inúmeras surpresas durante a semana, Elina Svitolina (UKR), que se casou logo antes do Jogos com o tenista francês Gael Monfils, desponta como favorita, mas enfrentará a tcheca Marketa Vondrousova, que derrotou Naomi Osaka. A suíça Belinda Bencic encara Elena Rybakina (KAZ) na outra semifinal.