Tóquio 2020: Brasil perde contra a Espanha e tem que ganhar da Argentina

Seleção de handebol masculino mandou em períodos do jogo, mas caiu contra a Espanha por 32-25 e tem que ganhar da Argentina no próximo jogo em Tóquio 2020

O Brasil apresentou seus melhores 28 minutos em Tóquio 2020 no torneio masculino de handebol. O time de Marcos Tatá foi agressivo na defesa, muito eficaz da linha de sete metros e em rápidas ações de contra-ataque. Quase foi uma exibição perfeita, mas no handebol cada tempo tem 30 minutos e o último minuto e meio nada teve que ver com a dinâmica da partida.

Na Espanha de Jordi Ribera, técnico que orientou o Brasil na Rio 2016, apareceu o goleiro Perez de Vargas e o Brasil se precipitou nas ações ofensivas, permitindo que o rival conquistasse a primeira vantagem no placar ao 17-16 (18-16 ao intervalo).

Ferrugem e Perez de Vargas fecharam o gol

O primeiro quarto de hora da segunda parte foi espetacular para os goleiros. Ferrugem e Perez de Vargas fecharam o gol e o placar congelou em 25-22 favorável aos espanhóis durante cinco minutos até que o ponta Guardiola acabou com a inoperância dos ataques e colocou a Espanha quatro gols acima.

Thiagus Petrus com dois gols consecutivos ainda trouxe o Brasil para 26-24, mas nova sequência de perdas de bola acabou com as chances dos brasileiros. Quando já pouco tinha a perder o time de Marcos Tatá tirou o goleiro para criar superioridade numérica no ataque, mas sem eficácia. No final 32-25 e a sensação de que com outro aproveitamento das ações ofensivas o Brasil poderia ter competido até ao final contra a seleção que venceu o bronze no último Mundial.

Ponta Fabio Chiuffa em ação contra a Espanha em Tóquio 2020
Ponta Fabio Chiuffa em ação contra a Espanha em Tóquio 2020 Foto: Dean Mouhtaropoulos/Getty Images

Ganhar da Argentina no Superclássico das Américas

A seleção brasileira perdeu contra Noruega (27-24) e França (34-29) e tem que ganhar da Argentina no Superclássico das Américas para ser um dos quatro primeiros do Grupo A e jogar as quartas de final.

No mano a mano o Brasil tem vantagem histórica sobre a Argentina (16-13), mas a tendência de partidas em grandes competições é favorável aos argentinos como na decisão do Pan-Americano de 2018.

Os times chegam em momentos diferentes. O Brasil está em reconstrução após obter na Rio 2016 a melhor colocação da história (7º lugar), o que se traduziu em uma campanha aquém das expetativas no Mundial (18º lugar). A Argentina realizou um bom Mundial (11ª colocação) encerrando a participação com saldo positivo pela primeira vez (quatro vitórias e duas derrotas) e em Jogos Olímpicos foram 10º em Londres 2012 e na Rio 2016.

A partida está programada para dia 30 de julho às 9:00 horas do Japão (dia 29 às 21:00 horário de Brasília).