Semifinais do vôlei masculino em Tóquio 2020: o que está em jogo

Grandes times como Itália, Polônia e EUA ficaram pelo caminho, enquanto o Brasil tenta manter soberania e a Argentina chega como surpresa. Aqui está tudo que você precisa saber sobre a seleção brasileira e seus adversários rumo à disputa de medalhas

vôlei masculino chegou aos momentos decisivos em Tóquio 2020 em 2021, com quatro fortes equipes na disputa: Brasil, ROC, França e Argentina. Grandes potências como Itália, Polônia e EUA estão fora, o que mostra o equilíbrio e o alto nível do torneio. Confira quais são as partidas, os horários e quais jogadores estão se destacando.

Brasil x ROC

Dia e horário: 5 de agosto, 13:00 (horário de Tóquio), 1:00 no horário de Brasília.

Em busca da quinta final consecutiva no vôlei masculino, o Brasil perdeu apenas uma partida na campanha até o momento, justamente para o ROC na fase de grupos. E foi por 3 sets a 0. A equipe comandada por Renan Dal Zotto foi tão dominada naquele embate, que nenhum dos seus jogadores chegou a 10 pontos, apesar de Lucão ter feito nove. Quem dominou na ocasião foi o oposto do ROC Dmitry Volkov, com nada menos de 19 pontos.

Para se dar melhor desta vez, o levantador Bruninho terá que contar com a sua variedade de opções de ataque, mais especificamente com o oposto Wallace e os ponteiros Lucarelli e Leal jogando bem ao mesmo tempo, além do central Lucão. Caso eles não estejam em um bom dia, ainda há a carta na manga, Douglas Souza, que vem entrado com segurança quando necessário.

“Nós precisamos nos adaptar ao novo estilo do ROC. Eles sempre mantêm a bola em jogo, então precisamos ser pacientes não nos precipitarmos.”

– Bruno Rezende

Na fase de grupos, o ROC perdeu apenas uma partida, para a França. Na Rio 2016, o Brasil enfrentou a Rússia nas semifinais e venceu, dando o troco da final de Londres 2012. Uma rivalidade que tem tudo para fazer a Arena Ariake tremer.

França x Argentina

Dia e horário: 5 de agosto, 21:00 (horário de Tóquio), 9:00 no horário de Brasília.

Responsáveis pela eliminação de duas equipes que eram super cotadas para medalhas, França e Argentina buscam seus primeiros títulos Olímpicos (os sul-americanos foram bronze em Seul 1988).

Nas quartas, a França eliminou a campeã mundial Polônia no quinto set para disputar sua primeira semifinal OlímpicaJean Patry foi o nome da partida, com 21 pontos.

“Estou muito feliz porque jogamos uma boa partida e encontramos um bom espírito na quadra quando foi necessário. Acho que essa foi a chave da vitória. Estou em êxtase agora, porque já é incrível estar nas quartas, mas ir para o Final Four é ainda melhor.”

– Jean Patry ao site fivb.vom

Mas não pense que Patry é a única estrela da França. Earvin Ngapeth e Trevor Clevenot também jogaram muito bem contra a Polônia.

Apesar de não ser tradicional no vôlei, a França tem evoluído muito nos últimos anos e a sua presença nas semifinais não é exatamente um choque. Na Liga das Nações deste ano, por exemplo, os franceses ganharam do Brasil na fase preliminar e chegaram à semifinal.

Quem tem superado as expectativas é a Argentina, que ficou em terceiro na fase de grupos, vendendo caro as únicas derrotas para o Brasil e o ROC, e atropelou os EUA para conquistar a vaga nas quartas de final. De quebra, tirou a atual vice-campeã Olímpica Itália da competição no tiebreak. Esta é a primeira semifinal da Argentina desde Sydney 2000.

O curioso é que os maiores pontuadores da partida foram italianos (Juantorena e Michieletto), o que mostra como a equipe argentina sabe aguardar o momento certo, especialmente nas mãos de Facundo Conte, Ezequeil Palacios e Bruno Lima.

Agora a luta é de igual para igual para definir quem fará sua primeira final Olímpica.

As partidas serão transmitidas no Brasil por Globo/SporTV e Bandsports.