Vereadora Professora Juliana tem a primeira vitória na Justiça contra vereador barbarense que publicou vídeo hostil contra ela

Vereador barbarense conhecido por falas hostis contra ‘desafetos’ por ele autoproclamados, mostrou mais uma vez a pouca habilidade discursiva e ausência de lógica ao proferir ataques gratuitos contra a Vereadora Professora Juliana.

Juliana, eleita pelo PT, em um de seus discursos na Câmara Municipal, mencionou o reconhecimento da ineficácia do que ficou conhecido como “tratamento precoce” e que, ademais, foi retirado da política de combate à pandemia pelo Ministério da Saúde e é uma das linhas de investigação da CPI do Senado Federal que investiga as supostas omissões e responsabilidades do Governo Federal na condução desse período.  Tal fato teria motivado o “legislador” barbarense ao comportamento indecoroso gravado em vídeo e publicado em suas mídias sociais.

Diante dos ataques gratuitos e injustificáveis, onde aquele vereador vocifera, chama a parlamentar de “fanfarrona” e “defensora de bandido”, a acusa de demonizar o “tratamento precoce” e sugere que ela “lave sua boca com ácido sulfúrico” antes de falar de Jair Bolsonaro, o gabinete da vereadora entrou com ação judicial pedindo a imediata exclusão do vídeo e a condenação por danos morais em R$ 10.000,00 que serão destinados a projetos de combate à violência contra a mulher.

Segundo a vereadora: “Não se trata de manifestação de ideias ou de divergências políticas, mas de discurso de ódio, porque foge à racionalidade, é hostil, insulta, intimida e constrange”, afirma.