Prolongamento da Adutora Córrego Palmital chega à Coden e é integrado à ETA 1 de Nova Odessa

Nesta quinta-feira (07/10), a Coden Ambiental, responsável pelos serviços de Saneamento Básico de Nova Odessa, recebeu o prefeito Cláudio José Schooder, o Leitinho, e o presidente da Câmara de Vereadores, Elvis Ricardo Maurício Garcia, o Pelé, para o ato que oficializou a integração do prolongamento da adutora Córrego Palmital, na Rodovia Rodolfo Kivitz, à ETA (Estação de Tratamento de Água) 1, localizada na sede da empresa, no Jardim Bela Vista.

As autoridades foram recepcionadas pelo presidente da Coden, Elsio Álvaro Boccaletto, pelo diretor Financeiro Hamilton Lorençatto e pelo diretor técnico Rean Gustavo Sobrinho. A partir da próxima semana, o prolongamento da adutora levará a água bruta captada no Córrego Palmital diretamente à ETA 1, dispensando a interligação a um “braço” da Represa Recanto 2, nas proximidades da Estância Hípica.

A nova tubulação vai permitir assim captação de 70 litros de água bruta por segundo, o equivalente a um terço da vazão média da ETA 1, que é de 210 litros por segundo. Também evitará perdas decorrentes do trajeto a ser desativado, tanto com infiltrações em veios de córregos, como por evaporação na represa.

Durante o evento, o prefeito Leitinho ressaltou o compromisso de sua gestão em assegurar a segurança hídrica do município. “Estamos trabalhando junto com a Coden para que não falte água nas torneiras da população de Nova Odessa, para que a cidade possa contar com um sistema de captação, tratamento e distribuição que garanta uma água de qualidade não só agora, mas também ao longo das próximas décadas, mesmo nos períodos de estiagem”, comentou.

Elsio Boccaletto, presidente da Coden, também considerou a obra importante para enfrentar as mudanças climáticas. “Estamos vivendo uma época em que as estiagens prometem ser cada vez mais prolongadas e iniciativas como esta nos dão tranquilidade para encarar a situação”, apontou o biólogo e professor.

A ordem de serviço do novo trecho da adutora foi assinada em 05 de maio e sua construção teve início no dia 10 do mesmo mês. Os serviços foram executados pela empresa HT Construções Eireli, vencedora do processo de licitação, e custeados com recursos próprios da Coden.

Os serviços incluíram corte do asfalto, escavação da vala, assentamento da tubulação, aterramento do trecho e recapeamento. A tubulação empregada é do tipo Biax, uma derivação da linha de PVC para adutoras altamente resistente a impactos, corrosões e pressões de carga na rede.

Em 04 de agosto, teve início a preparação da integração da obra com a ETA 1. Além da instalação de 50 metros de tubulação dentro das dependências da Coden, onde fica a ETA 1, a ação inclui a colocação de um macromedidor de vazão de alta precisão para garantir que os 70 litros por segundo de água bruta captados no Córrego Palmital sigam na totalidade para as fases de tratamento e distribuição.

“Considerando todas as demandas da obra, a Coden investiu cerca de R$ 1 milhão”, informou o diretor financeiro da Coden, Hamilton Lorençatto.

“Eu acompanhei a assinatura da ordem de serviço desta obra há meses atrás, junto com o prefeito, e fico feliz em ver que ela foi concluída. A cidade está se desenvolvendo, temos que buscar recursos para garantir a segurança hídrica do município e não deixar faltar água aos cidadãos”, afirmou o presidente da Câmara, o Pelé.

Considerando a primeira fase da obra (Córrego Palmital–Estância Hípica), já concluída em anos anteriores, a adutora totaliza agora 5.820 metros de extensão. “Vamos armazenar mais água tratada sem diminuir o nível do sistema Recanto, já que estamos captando diretamente de outro manancial”, explicou o diretor técnico da Coden, Rean Sobrinho.

Atualmente, para abastecer uma população estimada em 61 mil pessoas, a Coden dispõe de 282,76 km de rede; um volume de água bruta reservada de, aproximadamente, 2,5 milhões de metros cúbicos; e um volume de água tratada na ordem de 16 milhões de litros/dia.

A empresa também desenvolve um trabalho contínuo de combate às perdas, monitorando remotamente a pressão e a vazão em 52 pontos das redes e os volumes registrados na saída dos reservatórios. Graças a esse trabalho, o índice de perda de água vem se mantendo em 28%, um dos mais baixos da região.

As ações de combate a perdas já resultaram também na troca de 76,14 Km da rede de água por tubulações em PEAD, extinguindo-se materiais como ferro fundido, cimento amianto e outros. Hoje, toda a rede de distribuição de água do município conta com tubulações de alta resistência, em PEAD e PVC. Outra consequência do trabalho de combate a perdas foi a substituição de 8.890 ramais de abastecimento, também em tubos PEAD.