Justiça ouve testemunhas de defesa e acusação do caso Henry Borel

Juíza irá ouvir uma testemunha de acusação e dez arroladas pela defesa

A Justiça do Rio realiza amanhã (14) e na quarta-feira (15), a audiência de instrução e julgamento do processo que apura a morte do menino Henry Borel, de 4 anos, morto no dia 8 de março deste ano. A juíza Elizabeth Machado Louro, da 2ª Vara Criminal da capital, irá ouvir uma testemunha de acusação e cerca de dez testemunhas arroladas pelas defesas da professora Monique Medeiros e do ex-vereador Jairo Souza dos Santos Júnior, o Dr. Jairinho.  

Na terça-feira (14) será a vez da testemunha de acusação e das testemunhas de defesa de Jairinho prestarem depoimento. No dia seguinte (15), serão ouvidas as testemunhas de defesa de Monique Medeiros.

Henry Borel Medeiros, filho de Monique e enteado de Jairinho, morreu no dia 8 de março deste ano. De acordo com a denúncia, o menino, de quatro anos de idade, teria sido vítima de torturas realizadas no apartamento do casal, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. O garoto foi levado ao Hospital Barra D’Or, mas já chegou ao local morto.

Denúncia

Presos desde 8 de abril, Monique e Jairinho foram denunciados pelo Ministério Público estadual  pela prática de homicídio qualificado (por motivo torpe, com recurso que dificultou a defesa da vítima e impingiu intenso sofrimento, além de ter sido praticado contra menor de 14 anos), tortura, coação de testemunha, fraude processual e falsidade ideológica.

Monique Medeiros da Costa e Silva, mãe do menino Henry Borel, deixa à Delegacia de Polícia da Barra da Tijuca(16ªDP), após prestar depoimento sobre a morte do menido de 4 anos.
Monique Medeiros da Costa e Silva, mãe do menino Henry Borel, deixa à Delegacia de Polícia da Barra da Tijuca(16ªDP), após prestar depoimento sobre a morte do menino de 4 anos. – Tânia Rêgo/Agência Brasil

Agência Brasil