Zelensky avaliou as ameaças de Putin com armas nucleares

A violação dos termos do Memorando de Budapeste, que deu à Ucrânia garantias de integridade territorial, é um erro para os signatários, disse o presidente.

 

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky considera a declaração do presidente russo Vladimir Putin de que está pronto para atacar com armas nucleares se o Ocidente intervir na guerra da Rússia contra a Ucrânia como um blefe. O anúncio foi feito na quinta-feira, 10 de março, Zelensky em entrevista ao jornal alemão Die Zeit .
“Eu acho que é um blefe. Uma coisa é ser um assassino. Outra é ser um suicida. Qualquer uso de armas nucleares significará o fim não apenas para a pessoa que as usa, mas também para tudo que pode custar caro na vida. para este homem”, disse o presidente.
Segundo o presidente, a violação dos termos do Memorando de Budapeste, que dava à Ucrânia garantias de integridade territorial, é um erro dos signatários.
Há países no mundo que querem armas nucleares ou sabem que seus vizinhos querem tomá-las ou tirar algum território deles. Se Budapeste agisse, poderíamos dizer a esses países: aqui estão as garantias de segurança que você pode obter, e assim não nem pensar em armas nucleares.
A agressão contra a Ucrânia é um sinal claro para todo o mundo: as garantias não funcionam, mesmo quando os mais fortes do mundo as assinaram. A própria Rússia garantiu nossa segurança. E agora ela está tentando nos destruir. Quem no mundo esperará agora pelo poder dos tratados se temer por sua existência? Portanto, punir severamente a Rússia por esta invasão da Ucrânia e conseguir a libertação de nosso território é restaurar a força do direito internacional. O Ocidente é capaz de fazer isso”, disse.
De acordo com o Memorando de Budapeste, a Ucrânia renunciou voluntariamente às armas nucleares em 1994. Rússia, Grã-Bretanha e Estados Unidos garantiram sua soberania.