Voluntários ucranianos recebem 800 pedidos por dia para salvar animais deixados para trás

Enquanto milhões de pessoas se apressam para deixar a Ucrânia, milhares de animais domésticos são deixados para trás enquanto a Rússia continua a bombardeiam o país vizinho.

O ZooPatrol foi criado para resgatar esses animais abandonados e agora recebe cerca de 800 pedidos por dia para salvar cães e gatos deixados para trás por seus tutores que fugiram da guerra.

Em três semanas, voluntários resgataram mais de 200 animais, e outros 500 foram resgatados por pessoas comuns que viram instruções em vídeo nas redes sociais do ZooPatrol.

O responsável pelo ZooPatrol, Dmytro Revnyuk, decidiu não sair de Kiev quando os tanques russos chegaram há um mês atrás.


Um dia uma vizinha pediu para que salvassem um gato que ela tinha deixado no apartamento durante a evacuação. Dmytro e um amigo derrubaram a porta e salvaram o animal que estava trancado há uma semana.

“O gato estava feliz, subiu para se aconchegar, murmurou. Isso me inspirou a tomar mais medidas, por isso publiquei um post sobre a libertação de animais de graça”, disse Dmytro.

Pessoas de toda Kiev começaram a pedir ao Dmytro para salvar os seus animais domésticos. Agora, 13 equipas ZooPatrol estão em ação em torno da capital ucraniana.

“No início, recebemos cerca de 100 pedidos por dia, e agora 800”, diz Maria Yerokhina, coordenadora chefe do “Zoopatrulya”.

Inicialmente, Maria recebeu pedidos de informação por telefone, mensagem de texto ou pelas redes sociais. Mas depois criou um formulário Google, que é agora preenchido pelos tutores. Dezenas de voluntários aderiram à iniciativa.

Alguns trabalham em patrulhas, enquanto outros trabalham em folhas de cálculo, recebem chamadas das linhas diretas ou respondem a mensagens nas redes sociais.

“Antes de partirmos, sabemos da urgência do salvamento. Muitas pessoas salvam animais dos nossos vídeos, onde explicamos a melhor maneira de chegar até eles”, disse Maria.

Para salvar o animal, as patrulhas dos zoológicos chegam até a casa e depois, com a permissão do proprietário, há três opções de salvamento:

Primeiro, os voluntários fazem um pequeno furo numa porta ou parede. A comida é colocada através dela e a água é chega até o animal através de um tubo.

A segunda opção é um buraco. É feita na própria porta ou na parede. A terceira via, que ocorre apenas com o consentimento em vídeo do proprietário do apartamento, é “arrombar” a porta ou a fechadura.

“Entramos no apartamento, levamos as coisas do animal e depois trancamos o apartamento para que mais ninguém entre”, disse Maria.