Dória faz gestos sobre desistência à presidência. Veja últimas atualizações.

Segundo informações publicadas pela Folha de São Paulo (31/03/2022, às 6h29) o governador de São Paulo avisou que vai desistir de tentar Presiência e abre crise no PSDB. O acordo é de longa data, Dória seria candidato à presidência, nesse meio tempo o seu vice, Rodrigo Garcia, migrou para do DEM para o PSDB com a palavra dada que seria o candidato tucano ao governo do estado. Para aumentar sua projeção, Dória precisaria renunciar ao governo do Estado para ser candidato a presidente em outubro. O novo movimento do governador coloca tudo em dúvidas.

O oponente mais forte de Dória, Eduardo Leite, que foi derrotado nas prévias tucanas, antecipou-se e renunciou ao cargo de governador, tornando-se apto à candidatura. Eduardo tem conversado com outras forças da chamada terceira via, os grupos políticos que não estarão no palanque de Lula ou Bolsonaro. A nova decisão de Dória, ainda a ser confirmada oficialmente ou negada, fortalece Leite.

Por que Dória estaria mudando de ideia?

Primeiramente, o mesmo jornal citado, Folha de São Paulo, publicou em sua edição de hoje um artigo pessoal de Dória despedindo-se do cargo de governador e anunciando, em trecho final, “Obrigado São Paulo! Vamos juntos, Brasil!”. Portanto, tudo ainda está nebuloso.

Ocorre que Dória patina nas pesquisas eleitorais. No Datafolha de 22 e 23 de março, o governador pontua com 2% das intenções de votos, exatamente a margem de erro. Está embolado com Simone Tebet (MDB), Felipe d’Avila (NOVO) e Leonardo Péricles (UP), todos pouco conhecidos do grande eleitorado e com baixissímas intenções de votos. O quadro é pior para Dória, pois é mais conhecido e atinge rejeição de 30% – apenas atrás de Lula (37%) e Bolsonaro (55%). Nesse cenário, Dória não reúne condições para se tornar um personagem agregador de terceira via. Mas o jogo ainda está pra começar, porque as definições sobre candidaturas se darão neste trimestre que se inicia. Em política, tudo pode mudar.

Segundo a Folha, Cauê Macris (da Casa Civil) e Carlos Sampaio (Deputado federal) estão em conversas para demover Dória da decisão. Para que o acordo seja cumprido, e que Garcia se torne governador na semana que vem.

  Frustração 

Dória estaria frustrado com o apoio popular baixo, principalmente porque contava com toda a projeção que teve no caso das vacinas. Mas o assunto não emplacou. Colheu rejeição de bolsonaristas, que garantiram sua vitória apertada em 2018, e não trouxe novos grupos sociais em seu favor.  Hoje, às 16h, está previsto para ocorrer discurso do governador, publicaremos atualizações.

OPINIÃO - Colunistas

O ponto de vista preciso e afiado sobre os fatos mais importantes por nossos colunistas. As opiniões registradas por eles de caráter pessoal e não refletem necessariamente o pensamento deste veículo de comunicação.