João Doria diz adeus à corrida Presidencial

Ele sai da vida pública e abre espaço para Eduardo Leite ser o candidato a presidente. Aliados de Rodrigo Garcia pressionam para ele deixar o cargo

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), desistiu de sua pré-candidatura à Presidência da República. Ele tampouco vai tentar a reeleição ao governo do Estado de São Paulo. Sua decisão, até o momento, é deixar a vida pública ao final do seu mandato, em dezembro deste ano.

Essa definição revoltou aliados do vice-governador, Rodrigo Garcia (PSDB), que pressionam pela saída de Doria do cargo e falam até em impeachment. Como governador, o vice teria a mídia espontânea do cargo e possibilidade de negociar com a caneta na mão. Além disso, a avaliação é que ele teria dificuldade em se distanciar dos índices de rejeição de Doria caso ele se mantenha no governo.

A informação da desistência foi repassada para os seus auxiliares e para o vice-governador. Não houve um planejamento anterior e a equipe dele foi pega de surpresa. A manhã desta 5ª feira (31.mar.2022) está sendo de reuniões tensas no Palácio. Aliados de Doria tentam mudar a sua decisão, mas têm pouca esperança.

Doria conquistou o direito de concorrer à Presidência pelo PSDB depois de derrotar o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, e o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio nas prévias do partido, realizadas em novembro do ano passado. De lá para cá, porém, não conseguiu desarmar a resistência interna de caciques do PSDB e tampouco reduziu a sua rejeição nas pesquisas de intenção de voto.

O anúncio de Eduardo Leite que iria deixar o governo e a indicação de que poderia, sim, disputar novamente a candidatura tornou a situação ainda mais complicada para Doria.

Derrotado nas prévias tucanas, Leite mantinha conversas com o PSD e avaliou concorrer ao Palácio do Planalto pelo partido, mas desistiu da mudança. Ele anunciou na 2ª feira (28.fev) que renunciará ao cargo de governador e definiu que permanecerá no PSDB.

O anúncio de Doria favorece o governador gaúcho. Sem um candidato pré-definido no partido, e com a simpatia dos partidos de centro, Leite pode ser ungido candidato do grupo. Mas ainda não está claro se isso irá, de fato, acontecer.

Doria havia programado para esta 5ª a desincompatibilização do cargo para ser candidato a presidente. Às 16h, uma série de prefeitos tucanos estariam na sede do governo paulista.

O governador de São Paulo cancelou parte da sua agenda. Manteve só uma ida à B3, a Bolsa de Valores de São Paulo. Também fará um pronunciamento no Palácio dos Bandeirantes, às 16h, horário que seria realizada a cerimônia com os prefeitos.

“ESPÍRITO PÚBLICO”

O presidente do Cidadania, Roberto Freire, que recentemente fechou uma federação com o PSDB, disse que a decisão de João Doria revela seu espírito público.

É uma grande surpresa. Esperava que mais adiante algo assim pudesse ocorrer se o quadro eleitoral se mantivesse como está hoje em função das conversas com MDB e União Brasil. Mas essa antecipação mostra o espírito público do governador por permitir novos caminhos, disse ao Poder360.

Pesquisa PoderData realizada de 27 a 29 de março de 2022 mostra Doria empatado com outros pré-candiadtos da chamada 3ª via. O governador paulista tem 3%; André Janones (Avante), com 2%; e Eduardo Leite (PSDB) e Simone Tebet (MDB), com 1% cada um.

Foram 3.000 entrevistas em 275 municípios nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. O intervalo de confiança é de 95%. O registro no TSE é BR 06661/2022.

 

Poder 360