Prefeitura inicia obras de novo barracão para coleta seletiva em Santa Bárbara

Quantidade reciclada no Município foi ampliada em 20 vezes nos últimos anos, chegando a 160 toneladas por mês

A Prefeitura de Santa Bárbara d’Oeste iniciou nesta semana a construção de um novo barracão que será utilizado na coleta seletiva do Município. Localizado no Jardim dos Manacás, o barracão será construído entre as ruas Pastor José Milanez, Joaquim Martins e Antônio Cardoso, em investimento de mais de R$ 1 milhão.

O novo barracão possibilitará a ampliação da estrutura da Recicoplast, uma das cooperativas que atuam na cidade, incrementando o serviço prestado.

Nos últimos anos, a coleta seletiva foi ampliada significativamente em Santa Bárbara d’Oeste. Entre as cooperativas existentes na cidade (Recicoplast e Juntos Somos Fortes) e a coleta seletiva realizada pela Prefeitura, são recicladas cerca 160 toneladas por mês no Município.

“A questão da coleta seletiva leva em consideração aspectos logísticos, que vão desde a coleta ao processamento do material. Temos feito investimentos em toda a cadeia, desde o convênio com as cooperativas, custeando várias ações e equipamentos, até a questão estrutural. No início do nosso trabalho, em 2013, tínhamos a reciclagem de 8 toneladas de materiais por mês e hoje são 160 toneladas por mês – um número 20 vezes maior”, comentou o prefeito de Santa Bárbara d’Oeste, Rafael Piovezan.

Anteriormente, em 2019, a Prefeitura já havia construído um barracão no Parque Industrial Bandeirantes, já em utilização pela cooperativa Juntos Somos Fortes. De acordo com o prefeito, com as ações implantadas nos últimos anos, Santa Bárbara d’Oeste está entre os maiores exemplos da ampliação da coleta seletiva entre todos os municípios da RMC.

“É um trabalho fundamental para o futuro da nossa cidade e do mundo. E, graças a ação do Poder Público, temos ampliado todo o serviço de Coleta Seletiva, propondo ainda a reflexão na sociedade sobre o consumo de materiais a importância da reciclagem. Vemos hoje a diminuição dos resíduos que vão ao Aterro Municipal e a geração de renda a quem atua nas cooperativas, em barracões devidamente organizados e construídos pela Prefeitura”, acrescentou Rafael Piovezan.