Prefeitura começa a formatar novo programa de capacitação profissional

A Prefeitura de Americana realizou hoje (29), por meio das secretarias de Desenvolvimento Econômico e de Assistência Social e Direitos Humanos, uma reunião com instituições ligadas ao ensino e à economia local para a formatação de um novo programa municipal de capacitação profissional, que deve ser lançado em breve.

O programa está sendo desenvolvido para fechar o ciclo entre pessoas que buscam recolocação profissional, a disponibilidade de vagas no PAT (Posto de Apoio ao Trabalhador) e os cursos de capacitação ofertados em Americana. “Fizemos um estudo e identificamos que, entre as vagas não preenchidas do PAT, estão as que exigem experiência prévia na função e aquelas que exigem qualificação. Pensando a nível Brasil, temos desemprego elevado, em Americana temos vagas de emprego e não estamos conseguindo preenchê-las. Por isso precisamos capacitar os profissionais”, explicou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Rafael de Barros.

A ideia inicial é utilizar o portal da pasta para a criação e divulgação de um calendário de cursos de capacitação, oferecidos de forma gratuita e/ou com bolsas de estudos a pessoas em situação de vulnerabilidade social, pelas instituições de ensino e entidades parceiras do município, promovendo assim maior recolocação no mercado de trabalho. “Nós, da Prefeitura, queremos ser o elo entre estas três partes”, declarou Rafael.

A secretária de Assistência Social e Direitos Humanos, Juliani Hellen Munhoz Fernandes, destacou ainda a importância dos cursos serem ofertados em regiões com maior vulnerabilidade social. “É muito boa essa parceria entre as secretarias porque o Rafael chega com esse olhar mais econômico da realidade e a gente, com o olhar social. Quando o curso de capacitação é ofertado no território, a adesão e frequência são diferentes”, comentou.

Segundo Juliani, a Prefeitura possui centros de convivência e fortalecimento de vínculos onde os cursos podem ser ofertados em polos descentralizados, dentro de territórios mais vulneráveis. “Quando uma pessoa conclui o curso e começa a trabalhar e se sentir independente, ela melhora a dinâmica de todo o seu núcleo familiar”, explicou.

A reunião ocorreu no Auditório Villa Americana, no Paço Municipal, e foi acompanhada pelo secretário de Comunicação e Tecnologia da Informação, Allisson Roberto. Participaram do encontro representantes locais das seguintes entidades: Acia (Associação Comercial e Industrial de Americana), Ciee (Centro de Integração Empresa-Escola), Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), FAM (Faculdade de Americana), Fatec (Faculdade de Tecnologia de São Paulo), Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), Sesi (Serviço Social da Indústria), Sinditec (Sindicato das Indústrias de Tecelagem, Fiação, Linhas, Tinturaria, Estamparia e Beneficiamento de Fios e Tecidos de Americana, Nova Odessa, Santa Bárbara d’Oeste e Sumaré) e Unisal (Centro Universitário Salesiano de São Paulo), entre outras.