‘Relação Brasil–China sempre foi de alto nível’, diz Mourão

Vice-presidente também pediu apoio do governo de Xi Jinping para a retomada da presença da Embraer no país

Ao participar da VI Sessão Plenária da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban), o vice-presidente Hamilton Mourão (Republicanos) afirmou que, embora tenha havido “alguns ruídos”, a relação entre Brasil e China sempre foi de “alto nível”.

“A China adotou uma estratégia de enfrentamento da covid-19 totalmente distinta do restante do mundo, pelas características, vamos dizer assim, do país e do seu sistema de governo. Ela adota essa estratégia de covid zero, que volta e meia causa uma ruptura em termos das cadeias de suprimento globais, porque ela dá uma parada na economia”, disse Mourão.

No documento assinado pelos vice-presidentes dos dois países, China e Brasil avaliaram que a relação de cooperação entre as nações durante a pandemia tem sido bem-sucedida. Mourão também citou a produção de vacinas como exemplo de colaboração entre os países.

“Vamos lembrar que nós compramos 100 milhões de doses da CoronaVac nesse convênio com o Butantan. Além disso, recebemos insumos para a produção da AstraZeneca, na Fiocruz, ou seja, essa parceria em termos do enfrentamento à pandemia foi extremamente positiva para nós aqui no Brasil e, óbvio, para a relação comercial com a China”, ressaltou Mourão.

O vice-presidente também pediu apoio para a retomada da presença da Embraer no país.

“Contamos com o apoio do governo chinês para que a Embraer possa ampliar sua parceria em aviação comercial com companhias chinesas, retomar sua presença local e participar do dinâmico mercado aeronáutico da China”, afirmou.

Revista Oeste