China lança primeiro porta-aviões do mundo capaz de operar por conta própria

A China lançou o primeiro porta-aviões autônomo para drones do mundo. A embarcação, que possui quase 90 metros de comprimento, tem capacidade para levar, recuperar e coordenar até 50 veículos aéreos não tripulados de uma única vez, sem precisar de operadores humanos.

O estaleiro Huangpu Wenchong começou a construção do Zhu Hai Yun em julho do ano passado na província de Guangzhou, localizada no sul da China. Segundo o jornal South China Morning Post, a plataforma independente consegue transportar drones, barcos e submarinos autônomos.

“Não esperamos que esse navio navegue em portos movimentados por conta própria. Em vez disso, o Zhu Hai Yun funcionará no modo controle remoto até que esteja em mar aberto e, em seguida, seus sistemas autônomos assumirão o comando”, explica o professor Dake Chen, da Escola de Oceanografia da Academia Chinesa de Ciência.

Inteligência artificial

O Zhu Hai Yun possui um sistema de inteligência artificial (IA) conhecido mundialmente como Intelligent Mobile Ocean Stereo Observing System (IMOSOS, na sigla em inglês). Esse dispositivo permite que a embarcação seja controlada remotamente ou navegue de forma autônoma com a ajuda de sensores de última geração.

O porta-aviões possui quase 90 metros de comprimento (Imagem: Reprodução/SCMP)

Esse porta-aviões já vem equipado para executar missões coordenadas em mar aberto, incluindo a condução de redes adaptáveis ​​orientadas, capazes de oferecer visões tridimensionais de alvos específicos. Drones e outras aeronaves não tripuladas podem pousar em seu convés sem a intervenção de computadores externos ou operadores humanos.

“O navio inteligente representa uma nova ‘espécie marinha’ que trará mudanças significativas e revolucionárias para a observação de todo o oceano. Com essa embarcação, poderemos ir até onde nenhum outro pesquisador foi antes, de maneira rápida e segura”, acrescenta o professor Chen.

Uso militar

Embora tenha sido projetado para funcionar como uma plataforma de pesquisa oceânica, observando e monitorando o ambiente marinho, especialistas dizem que o Zhu Hai Yun possui capacidades militares para interceptar e abater alvos inimigos em alto-mar.

Sistemas integrados do navio podem ser adaptados para uso militar (Imagem: Reprodução/SCMP)

Segundo a própria empresa responsável pela construção o navio, nada impede que ele seja usado no futuro em missões para transportar e coordenar submarinos, drones e aviões autônomos em territórios hostis.

“O objetivo principal do Zhu Hai Yun é proporcionar uma visão científica mais realista e precisa em ambientes marinhos, mas sua função militar não pode ser descartada, principalmente por conta de seu sistema de comunicação adaptativo, que pode ser configurado para qualquer tipo de situação”, encerra o professor Dake Chen.

CanalTech