Evento cívico homenageia limeirenses da Revolução Constitucionalista de 32

9 de julho é a data que marca o Movimento Constitucionalista de 1932, e que culminou, há 90 anos, na revolução ocorrida de julho a outubro. Seu objetivo era a promulgação de uma nova constituição para o Brasil. Neste sábado, a Comissão Municipal de Civismo promoveu um evento, na Praça do Soldado Constitucionalista de 32, para homenagear os limeirenses que compuseram a força paulista durante a revolução.

Marcaram presença o prefeito Mario Botion, a vice-prefeita Erika Tank, o presidente da Câmara, vereador Sidney Pascotto, o secretário de Segurança Pública e Defesa Civil, Wagner Marchi, o chefe de Instrução do Tiro de Guerra, sargento Alexandre de Oliveira Kist, o comandante do 36º Batalhão de Polícia Militar, tenente-coronel Adriano Vieira Braz, o comandante do Corpo de Bombeiros de Limeira, tenente Erik Dias, os vereadores Elias Barbosa, Lu Bogo e Mariana Calsa e o presidente do Campl/Patrulheiros, Israel Bittar, entre outras autoridades.

O evento teve início com um desfile da tropa do Tiro de Guerra 02-020, da Ronda Ostensiva Municipal (Romu), dos escoteiros dos grupos Limeira 362 e Tatuibi 51, acompanhados da Banda Marcial do Campl/Patrulheiros, regida pelo maestro Ronaldo Domingos, ao som da Marcha Paris-Belfort (Hino da Revolução de 1932). Ainda durante a cerimônia, a vencedora do concurso “Verso e Voz”, a aluna da Escola Estadual Brasil, Ana Beatriz da Silva Jacinto, declamou o poema “Guerra”, de Cecília Meireles.

O prefeito Mario Botion fez uma reverência aos combatentes da Revolução e afirmou que poder celebrar essa data, hoje, se deve aos paulistas, entre eles limeirenses, que lutaram em 1932. “Esse é um reconhecimento da importância desse movimento, que trouxe resultados duradouros para o país”, observou o chefe do Executivo. Ele ainda enalteceu o fato de muitas famílias e crianças terem acompanhado o evento.

Wagner Marchi destacou que a Revolução de 1932 foi crucial para a garantia de direitos. “Tivemos ganhos para todo o Brasil, pois foi esse movimento que refletiu na Constituição de 1934, que foi um grande passo para se instalar o estado democrático e garantiu direitos como a inclusão do voto feminino e as eleições por maioria de votos”, citou o secretário, anfitrião das forças de segurança no evento.

HOMENAGENS

A comemoração dos 90 anos da Revolução de 32 foi finalizada com a deposição de uma corbélia de flores no Mausóleu do Soldado Limeirense, Sargento Alberto Pierrotti – conduzida pelos atiradores do Tiro de Guerra, e o toque de silêncio executado pelo maestro Júnior Luiz Villas Boas. Oficialmente, a Revolução Constitucionalista resultou na morte de 934 pessoas durante os 87 dias de combate.

Algumas famílias limeirenses que tiveram entes na revolução são: Pierrotti, Forster, Figueira, Fernandes Prado, Rodrigues de Oliveira, Duarte, Barros Camargo, Levy, Nenholdi e Rodrigues Lopes. O neto do ex-combatente Orlando Forster, Orlando Forster Neto, representou os familiares.